Google Adsense Topo
PARANÁ

Fernando Collor é alvo de operação da Polícia Federal

Ex-presidente teria recebido propina Em esquema em obras no Paraná. Suposto crime aconteceu em 2014 e 2015

21/10/2020 12h11
Por: Jorge Rocha
Fonte: PODER 360
20

Ex-presidente teria recebido propina Em esquema em obras no Paraná. Suposto crime aconteceu  em 2014 e 2015

O ex-presidente da República e senador, Fernando Collor de Mello (Pros-AL), é alvo de operação da Polícia Federal deflagrada na manhã desta 4ª feira (21.out.2020).

Ele é suspeito de ter recebido propina para atuar junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) na liberação de licença para a construção do porto Pontal Paraná Importação e Exportação SA, no Estado do Paraná. O suposto esquema criminoso, segundo a PF, operou de 2014 a 2015.

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) expediu 12 mandados de busca e apreensão e determinou o bloqueio de recursos dos investigados. Aproximadamente 50 policiais federais participam das ações nas cidades de Curitiba (PR), Pontal do Paraná (PR), Gaspar (SC) e São Paulo (SP).

A operação, nomeada “O Quinto Ato”, é uma referência ao rastreamento financeiro efetuado pela Polícia Federal a partir da 5ª parcela de 1 jato executivo adquirido por Collor.

A investigação é desdobramento da operação Politéia, deflagrada pela Polícia Federal em 2015. Na oportunidade, foram identificados bens de luxo de Collor pagos com recursos obtidos a partir de vantagens indevidas recebidas de empresários com interesse na atuação do ex-presidente junto a órgãos federais.

ALVO DE OPERAÇÃO EM 2019

Em outubro de 2019, Collor foi alvo de mandados de busca e apreensão autorizados pelo STF na operação Arremate.

Segundo a PF, a operação investigava a responsabilidade do ex-presidente como responsável por arremates de imóveis em leilões públicos em 2010, 2011, 2012 e 2016 para ocultar “recursos de origem ilícita”.

À época, em sua conta no Twitter, Collor afirmou estar indignado com o que classificou como uma “tentativa de envolver seu nome na investigação”.