Google Adsense Topo
CARGO

'Estão sob autoridade suprema do presidente', diz Bolsonaro a Pujol

O presidente Jair Bolsonaro respondeu nesta sexta-feira (13)

14/11/2020 03h51
Por: Jorge Rocha
Fonte: REDAÇÃO
7

O presidente Jair Bolsonaro respondeu nesta sexta-feira (13) a fala do comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, que demonstrou distanciamento da ala militar do governo de Bolsonaro, ao declarar que o Exército não quer fazer parte da política, e que não é "instituição do governo". 

Via Facebook, o presidente afirmou que concorda com o comandante sobre o papel das Forças Armadas, mas o "lembrou" que as mesmas estão sob a "autoridade suprema" do presidente da República. 

“São elas o maior sustentáculo e garantidores da Democracia e da Liberdade e destinam-se, como reza a Constituição, à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de quaisquer destes, da lei e da ordem’”, escreveu Bolsonaro, "Devem, por isso, se manter apartidárias, baseadas na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República”. 

Em transmissão ao vivo na quinta-feira (12), Pujol afirmou: "Não queremos fazer parte da política, muito menos deixar ela entrar nos quartéis". Em outro momento, disse: “Não somos instituição de governo, não temos partido. Nosso partido é o Brasil. Independente de mudanças ou permanências em determinado governo por um período longo, as Forças Armadas cuidam do país, da nação. Elas são instituições de Estado, permanentes. Não mudamos a cada quatro anos a nossa maneira de pensar e como cumprir nossas missões”,.

A declaração foi considerada uma resposta à fala de Jair Bolsonaro, de poucos dias antes, que afirmou que "quando acaba a saliva, tem que ter pólvora", se referindo à fala do presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre a possibilidade do Brasil ser alvo de sanções devido ao desmatamento que vem se agravando na Amazônia.

Em sua declaração feita quando ainda concorria as eleições com Donald Trump, Joe Biden havia considerado impor barreiras comerciais ao Brasil devido à forma com que o governo vem lidando com questões ambientais.